Artigo original

 

O Presidente da República foi internado no Hospital Curry Cabral, em Lisboa, para ser operado a uma hérnia umbilical, anunciou a Presidência em comunicado.

“Esta operação estava há muito prevista para o início de Janeiro, mas os médicos assistentes decidiram antecipá-la, por ter encarcerado” (ou estrangulado, em termos médicos), lê-se num comunicado colocado no “site” da Presidência da República.

A operação “correu bem” e implicou um “pequeno corte” no intestino, explicou o médico Eduardo Barroso em comunicado realizado ontem às  16h30. Marcelo Rebelo de Sousa deverá ficar internado no hospital Curry Cabral durante “um ou dois dias”.

Eduardo Barroso, o médico que operou Marcelo Foto Pedro Catarino “É uma cirurgia tão simples que é feita pelos médicos mais novos”, disse, acrescentando que “o repouso é o mínimo” pelo que o Presidente “pode fazer tudo, receber visitas e despachar documentos”.

Já Daniel de Matos, médico da presidência, referiu que “ele [Marcelo] estará bem no final do ano. Pode fazer a sua vida normal sem carregar pesos”. Marcelo Rebelo de Sousa já recebeu a visita do ministro da Saúde e de António Costa.

 

Agenda cancelada

O Presidente da República desconvocou a audiência marcada para as 13h00 com elementos da direcção da Associação Sindical de Juízes Portugueses (ASJP). Um elemento da casa civil da Presidência fez um telefonema para a presidente da ASJP “20 minutos antes das 13h00 a desconvocar a audiência”, disse à Lusa fonte da ASJP.

Na agenda desta quinta-feira, Marcelo tinha prevista uma ronda de audiências com representantes dos juízes e dos magistrados do Ministério Público para discutir o pacto de justiça e os estatutos destas duas classes e uma cerimónia de entrega de insígnias a Carlos Ramos, que salvou várias pessoas no acidente ferroviário de Alcafache, em 1985.

A 1 de Janeiro, é tradição o Presidente dirigir ao país uma mensagem de Ano Novo, que este ano deveria ser feita a partir de Vouzela, um dos concelhos afectados pelos incêndios de Outubro, região que ia visitar nesses dias.

A 31 de Dezembro, o Presidente tinha planeado visitar os concelhos de Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, e no dia 1 de Janeiro de 2018 iria a Arganil, também no distrito de Coimbra, Santa Comba Dão e Vouzela, ambos no distrito de Viseu, de onde iria fazer, em directo, a mensagem de Ano Novo.

Marcelo passou o dia de Natal em Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, concelhos afectados pelos incêndios de Junho.

 

Um tema quente para decidir

O Presidente tem em mãos um dos temas mais polémicos dos últimos dias, a lei de financiamento dos partidos políticos. Na quarta-feira, através do seu site, Marcelo disse que ainda “não se pode pronunciar”sobre as alterações à lei, mas afirmou que o primeiro-ministro e um quinto dos deputados têm o direito de requerer a fiscalização preventiva da constitucionalidade do decreto.

Marcelo lembrou que esta é uma lei orgânica, “ou seja, de um diploma sobre o qual o Presidente da República não se pode pronunciar antes de decorridos oito dias após a sua recepção”. O Presidente recebeu a lei na passada sexta-feira, dia 22 de Dezembro.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva algo no seu comentário.
Por favor insira o seu nome aqui.