Artigo original

“Está tudo muito em cima do joelho, mas isso também já não é nada de novo”, diz à Renascença César Nogueira, da APG.