Artigo original

Prédios que quase tocam os céus, réplicas da Torre Eiffel e estradas a perder de vista mas sem pessoas. O imobiliário é o motor de uma nova China que quer ser mais urbana, mas há danos colaterais cujas consequências são ainda difíceis de prever.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva algo no seu comentário.
Por favor insira o seu nome aqui.