Artigo original

É “uma carreira não revista, que tem 10 anos de espera”, explica à Renascença o secretário-geral do sindicato que organiza o protesto.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva algo no seu comentário.
Por favor insira o seu nome aqui.